Microsoft – Project Premonition

A tradução literal para o português do Project Premonition é Projeto Premonição e, por si só, já dá uma ideia de advertência e previsão. O projeto é inovador e tecnologicamente avançado consistindo na detecção, coleta e identificação de mosquitos causadores de Zika, Dengue, Chikungunya etc, assim como os patógenos que eles carregam. O Zika assusta principalmente por causar danos neurológicos no feto de mulheres grávidas e por causa de um possível surto da doença na Flórida (EUA) a Microsoft Research (MSR), financiadora do projeto e em colaboração com universidades americanas e órgãos de saúde pública, decidiu antecipar alguns testes. Drones serão inicialmente usados para a detecção de focos de mosquitos, seguido do uso de armadilhas para a captura destes e finalmente a identificação deles e do patógeno que eles possivelmente estarão transmitindo. Tudo isso, claro, usando uma tecnologia eficiente, limpa e avançada.

A detecção dos possíveis locais onde o mosquito habita será feita por drones. É importante que o mosquito seja detectado na zona rural antes que eles cheguem as cidades. Em áreas urbanas uma quadra pode ter milhares de mosquitos, enquanto que a próxima quadra pode não conter virtualmente nenhum. O uso de drones se torna mais eficiente e barato principalmente porque pode identificar focos de mosquitos em áreas de difícil acesso, como telhados e terrenos abandonados, e também porque ajuda a escolher as melhores áreas onde serão colocadas as armadilhas através do uso de imagens em alta resolução e a análise de computadores.

A coleta e a identificação de mosquitos através de armadilhas convencionais são trabalhosas e demoradas requerendo que entomologistas processem os insetos coletados em cada uma delas. No Project Premonition a coleta será feita por armadilhas inteligentes que funcionam como robôs. Essas armadilhas têm o formato de uma caixa e apresentam 64 células suportadas por um tripé, que atraem os mosquitos pela liberação de dióxido de carbono. Uma vez na armadilha, através do batimento das suas asas e do uso de luz infravermelha, o mosquito será identificado. Caso ele seja de interesse, a porta da célula se fecha capturando o inseto, caso contrário a célula fica aberta para que o inseto volte ao ambiente. Na hora da captura do mosquito serão registrados dados como hora, temperatura, umidade e intensidade luminosa para possibilitar aprender mais sobre o comportamento e o ambiente que ele habita. O funcionamento dessas armadilhas é feito através de microprocessadores que coletam dados e transmitem as informações através de um sistema wireless para outros sistemas inteligentes. Essa tecnologia ainda está sendo aprimorada para que a identificação dos mosquitos e a emissão de dados sejam feitas de maneira mais eficiente.

A última etapa do projeto será a análise do sangue adquirido pelo mosquito que fornecerá informações genéticas sobre o animal que foi picado e os patógenos que nele circulam. Para isso os pesquisadores da MSR estão desenvolvendo um sistema de sequenciamento genético nas nuvens e desenvolvendo algoritmos que analisem o material genético obtido dos mosquitos.

Doenças perigosas e imprevisíveis, como as transmitidas por mosquitos, causam muita preocupação aos órgãos de saúde que necessitam de informações para prever a disseminação e a melhor forma de controle dessas doenças com o objetivo de minimizar o sofrimento da população. Nesse aspecto, o sucesso do Project Premonition será importante para ser utilizado por países como o Brasil, que sofrem a anos com doenças transmitidas por mosquitos. É importante ainda lembrar que pesquisadores brasileiros aproveitem a oportunidade de aprender esse tipo de tecnologia de empresas como a Microsoft, que investe em filantropia e pretende desenvolver sistemas cada vez mais autônomos, a exemplo de drones que possam servir de armadilhas.

N.M.P. GUEDES

10/10/2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *